O aprendizado só vem com dor « Agile Way


4 de Agosto de 2011

O aprendizado só vem com dor

Quando falamos em métodos ágeis, falamos em aprendizado e melhoria contínua.

E normalmente falamos que os principais resultados obtidos no curto prazo, com qualquer um dos métodos ágeis (Scrum, XP, etc), é o de encontrar erros e falhar bastante.

Essa costuma ser uma das principais causas para muitas pessoas desistirem de usar os métodos ágeis. Elas não querem falhar. Não admitem.

Elas não compreendem que errar e falhar faz parte do aprendizado. Elas não querem sentir dor.

Aqui na Woompa, vivemos um processo de dor constante.

Eu lembro que antes de abrir minha empresa, li alguns livros sobre empreendedorismo. Um deles, em especial, era o “Caindo na real” (Getting Real) da empresa 37 Signals. Neste livro, os autores trazem uma série de lições que eles aprenderam no dia-a-dia, após apanharem bastante dos prazos, custos e mercado. Algumas lições remetem aos conceitos dos métodos ágeis, embora eles não citem em nenhum momento qualquer referência ao assunto.

Mas a gente percebe que a grande parte das lições são “óbvias”, daquelas que a gente lê e pensa “mas é óbvio que isso é assim”.

Porém, quando vamos para a prática, quando colocamos a cara a bater, todas essas obviedades somem. No post anterior eu citei alguns erros que nós cometemos, como mau planejamento, gold plating, falta de deadlines, entre outros. Todos são erros óbvios, que estavam descritos no livro.

E que eu cometi. Uma, duas, três, várias vezes.

Só então percebi que errar faz parte do processo. E que o aprendizado e – principalmente – a assimilação de fato deste aprendizado, só vem com a dor.

Foi necessário praticamente centenas de horas de trabalho e milhares de reais jogados fora, para eu assimilar estas lições.

Ok, é lógico que podemos analisar isso de outra ótica. Eu posso dizer o quanto nossa idéia do produto Pixel Quadrado, amadureceu até chegar na versão atual – significamente diferente da ideia inicial.

Mas o fato é que passado 1 ano, nosso sistema inda não foi lançado. E não tem feedback de nenhum cliente real. Tudo que está nele é baseado em suposições que fizemos com base no mercado que conhecemos de forma um pouquinho melhor do que superficial. Lançamos um produto na versão 4.0, quando o foco deveria ter sido na versão 1.0.

Hoje eu já assimilei tudo isso. Nos produtos que estamos desenvolvendo agora, toda vez que penso em alguma modificação, nova funcionalidade ou algo do tipo, eu antes penso: “Mas o mercado REALMENTE precisa disso?”. É verdade. Eu faço isso mesmo. Porque é assim que eu paro pra pensar se não vou gastar mais uma centena de reais para perceber que aquilo não era lá tão importante.

Os métodos ágeis ajudam a gente a assimilar o conceito de aprender com a dor. Pois eles nos fazem errar mais cedo e frequentemente. Para aprendermos e melhorarmos. Nós precisamos entender que errar e falhar faz parte do processo.

Então se você está desenvolvendo um projeto, tenha consciência disso. Erre cedo, assimile e melhore.

Coloque seu produto no mercado o mais cedo possível. E aprenda com o feedback.

Não espere completar um ano para perceber que você não fez o óbvio.



3 Comentários para “O aprendizado só vem com dor”

  1. Cainã Costa diz:

    Eu não lembro exatamente onde vi isso, capaz de ter sido até no Getting Real: se você não teve vergonha da primeira versão do seu produto, você não lançou cedo o suficiente.

    Belo artigo, eu acompanho a woompa desde o começo, e vejo como a própria idéia tem amadurecido, a maneira de pensar também. Mas mais importante ainda, é bom saber que mesmo com tanta pedrada, você não fugiu para o modelo “tradicional”, corporativo de fazer as coisas.

    Muito sucesso, principalmente de agora em diante 😀

  2. João F. diz:

    Flávio,

    Sugiro ler sobre Lean Startup e conceito MVP. Aposto que já deva ter lido, e e talvez tenha o conhecimento tácito sobre o assunto, mas é importante cristalizar alguns conceitos para evitar retrabalho, gasto desnecessário, etc.

    Melhor soltar antes um produto gouche do que um frankenstein de 3 anos. rs

  3. Realmente, errar faz parte do crescimento. A frase “Só erra quem está tentando” me veio a mente enquanto estava lendo esse post.

    Escrevi sobre artigo parecido sobre aprendizado e competência, segue o link se interessar:
    http://www.heroisdati.com/ninguem-nasce-competente/

    Abraços!

Comentar